Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis

BIOGRAFIA DE MARIO GENNARI FILHO

BIOGRAFIA DE MARIO GENNARI FILHO

 

Mário Gennari Filho nasceu no dia 7 de julho de 1929, na capital paulista e faleceu em São Paulo também, em junho de 1989. 

Mario Gennari Filho foi um exemplo de superação, apesar de ser um deficiente visual não o impedi-o de tornar-se um excelente instrumentista, que tocava acordeom, violão, piano, solovox, guitarra havaiana. Além disso era exímio compositor, professor de vários instrumentos, mas principalmente de acordeom. Mario Gennari Filho formou inúmeros instrumentistas, na sua atuação como professor.

Sua estreia começou aos oito anos. Garoto ainda, já era sumidade. Tocou na Rádio Bandeirantes de São Paulo, no “ Programa do Capitão Bardino”. Sua primeira gravação foi  aos 14 anos, quando gravou a música: “Sempre Alegre”, pela Colúmbia. E dessa data em diante, gravou mais de um disco por ano. Em 44, gravou: “Deliciosa e “Os Pintinhos no Terreiro”. Em 45: “Viajando pela Itália”, “Tico- Tico no Fubá”, “Raio de Sol” e “Um Passeio em Pernambuco “e  “Granada”. Em 46: “El Novilheiro “e “Ou Vai ou Racha”. Em 48: “Sorocabana” e  “Saci Pererê”. Em 49: “No Tempo Antigo” e “Arapuã”. Em 50: “Brasileirinho” e  “Não Me Toques” e um segundo disco, com: “Aquarela do Brasil” e “Casinha Pequenina”. Em 51, gravou  5 discos duplos: “Terceiro Homem” e Maringá”, “O Eme da Minha Mão” e “Chuá- Chuá”. “Casinha Pequenina” (pela Odeon), “De Papo Pro Ar” e “Na Baixa do Sapateiro” e “Zingara” e” Baião Caçula”. Em 52, gravou 6 duplos:” A Cuíca Tá Roncando” e “Boneca”; “Copacabana” e “Índia”;  “Taí, “Velho Romance”; “Coisinha Boa”, “Teu Nome”; “Baião da Sorte” e “ABC do Mambo”, “Terceiro Homem e Maringá”. Em 53, gravou  4 duplos:” A Voz do Violão” e “Cigano”;” Quando Eu Era Pequenino” e “Que Bom Que Estava; ““Brincando de Roda  e “Vivo Só”; “Parabéns São Paulo” e “Lili”. Em 54: “Seis Amores” e Mira-me”.; “Vata com Aios” e “Baião do Auditório”; “Menina da Janela” e “Bahia com H” e “Violetas Imperiais” e “Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite”. Em 55: “Eu Tive Que Te Beijar” e “Teu Nome Tem Cinco Letras; ““Recuperados d e Pacaraima “e “Porque Te Quero”. Em 1956: “Longe da Minha Terra” e “Sobre o Arco- Íris”; “Minha Prece” e “lavadeiras de Portugal”; “Lisboa Antiga” e “Os Pobres de Paris” e “Mambo do Martelo” e Prece ao Samba”. Em 57: “Namoro Sertanejo” e “A Saudade já Chegou”; “Razão de Um Querer” e “Brotolândia”;” Saudade da Bahia” e “Que Murmurem”; e “Cascateara “e “No Jardim de Um templo Chinês”. Em 59: “ Brigas Nunca Mais” e Hino Ao Amor”; “ La Violetera” e “ Quem É?”; “Nativo “e “Canta Brasil”. Em 60: “Cidade Maravilhosa” e “  Casinha Pequenina”. Em 61: “Rumbanita” e “Picolina”. Em 62: “Pinta Brava” e “Flor do Ipê”. Em 63: “Testar” e “African Beat” e “Baião Caçula” e “Zingara”. 

Recebeu inúmeros prêmios, como Melhor Instrumentista, inclusive o Prêmio Roquete Pinto.  Trabalhou com a Colúmbia, a Continental, mas foi principalmente na Odeon, que gravou a maioria de seus discos.