ARTIGO=MOZART TORNA-SE MAÇOM

ARTIGO=MOZART TORNA-SE MAÇOM

                                                    

Inquieto e, ao mesmo tempo, melancólico, o compositor sempre estava em busca do autoconhecimento. Assim, ele foi para a maçonaria. Em 1784, ele entrou para a ordem como aprendiz e no ano seguinte já era mestre. A prova deste fato pode ser comprovada em várias   de suas obras de inspiração maçônica, como A Flauta Mágica que datam desta época.

A Flauta Mágica,é uma opera de dois atos de Mozart,com o libreto de Emanuel Schikaneder.A opera foi estreada no Theater auf der Wieden em Viena, no dia 30 de Setembro de 1791.

Schikaneder era companheiro da mesma loja Maçônica em que Mozart frequentava. À época, por influência da Revolução Francesa, a maçonaria adquiria simpatizantes ao mesmo tempo em que era também perseguida.

A Flauta Mágica foi produzida no período histórico em que a linha de pensamento do homem sofria uma mudança radical através do Iluminismo, ideologia que defendia o fim das superstições medievais cultivadas pela Igreja durante a Idade Média e a valorização de uma visão de mundo racional, em que a sabedoria aparece como única possibilidade de justiça e igualdade entre os homens, o que imediatamente coloca em xeque as relações de poder e subordinação da sociedade da época e a legitimidade dos aristocratas e das tiranias. Esta obra está repleta de simbolismo maçônico.

A ópera também apresenta influência dos ideais da sociedade maçônica da qual se sabe que Mozart e Schikaneder faziam parte, principalmente no que diz respeito ao ritual de iniciação pela qual passam Tamino e Pamina(personagens da opera), composto de diversas provas da mesma maneirado ritual de iniciação maçônico, que testam o amor e a persistência do casal, recebido sob as bênçãos de toda a fraternidade do Templo da Sabedoria ao final da história.

Abaixo vídeo com fragmentos de A Flauta Mágica de Mozart.