ARTIGO = OUVIDO ABSOLUTO EOUVIDO RELATIVO

ARTIGO = OUVIDO ABSOLUTO EOUVIDO RELATIVO

                                                       

Embora o fator sócio-cultural interfira de maneira significativa na aquisição da competência auditiva no músico, existem outras habilidades que podem ser de origem fisiológica ou hereditária, como é o caso dos músicos possuidores do chamado Ouvido Absoluto.

Este é um assunto que sempre gera muita polêmica, no meio artístico, mas, principalmente, dentro da comunidade científica, pois apesar de muitas pesquisas realizadas ainda não está suficientemente esclarecida a origem dessa habilidade, a qual trataremos de expor a partir de agora.

O ouvido absoluto proporciona ao seu portador a capacidade de reconhecer com extrema precisão a frequência característica de cada som, possibilitando-o nomear tons específicos, assim como entoá-los isoladamente, sem a necessidade de recorrer a quaisquer parâmetros.

Para melhor exemplificarmos esta questão imaginemos que sejam apresentadas as seguintes frequências: 392; 440; 392; 329,6; 392; 440; 392 e 329,6 Hz para vários indivíduos. Um leigo (sem memória musical) diria que ouviu um conjunto de sons; uma pessoa comum, habituada a ouvir música informalmente, identificaria a sequência como sendo a melodia da canção “Noite Feliz”; um estudante de música poderia citar a relação intervalar, ou seja, 2ª maior ascendente; 2ª maior descendente; 3ª menor desc.; 3ª menor asc.; 2ª maior asc.; 2ª maior desc. e 3ª menor desc. No entanto, somente a pessoa com audição absoluta diria que a sucessão de sons tocados foi: sol, lá, sol, mi, sol, lá, sol e mi.

O músico portador de tal habilidade pode ouvir detalhes e ater-se a cada som puro, bem como perceber formas e estruturas sonoras diversas. A questão do ouvido absoluto ser um “dom inato” ou uma habilidade adquirida através de treinamento sistemático, ainda não foi resolvida. Cientistas, psicólogos, educadores musicais e músicos apresentam opiniões divergentes quanto a este assunto, por ser a habilidade em si difícil de ser avaliada pelos critérios comumente utilizados.

Os resultados dos estudos apresentados, quer pelos defensores do ouvido absoluto como dom inato, quer por aqueles que acreditam que tal habilidade é decorrente de um aprendizado fornecido culturalmente, não são categoricamente conclusivos. Os próprios argumentadores admitem existir possibilidades além daquelas que apresentam.

Vale dizer, que para quem acredita nesta habilidade como inata se surpreende com a constatação da existência de músicos que se desenvolveram sem qualquer evidência de possuírem tal talento; quem argumenta no sentido de serem as habilidades musicais fruto de uma influência do contexto sociocultural, cedem aos fatos, quando estes lhes apresentam indivíduos que, sob os mesmos estímulos musicais não obtêm resultados num mesmo nível de realização.

O indivíduo que possui uma audição absoluta, por ter uma memória sonora 

de frequências exatas e fixas, muitas vezes não consegue identificar uma sequência melódica, se as frequências das notas forem alteradas por exemplo como num teclado transpositor, ou quando a afinação de um piano estiver fora do padrão (lá 440). Outro incômodo para o músico com ouvido absoluto é a situação que ocorre quando os instrumentos que o acompanham, ou que ele esteja ouvindo, encontram-se fora de seu padrão interno de frequência; daí é praticamente impossível sua tolerância nessas condições.

 

Contrariamente à polêmica encontrada em relação ao ouvido absoluto, a capacidade de reconhecer sons musicais através da utilização do ouvido relativo é amplamente difundida e reconhecida.

 

O ouvido relativo, por realizar uma audição mais abstrata, é capaz de perceber formas e estruturas musicais, como também realizar diversos tipos de relações. Quaisquer padrões estruturais sonoros, independentemente dos níveis de complexidade, são discernidos através da audição relativa.

 

A audição relativa, por necessitar de referenciais, consegue, a partir de uma elaboração intelectual, absorver o sentido total de uma peça musical, e a audição absoluta possui, biologicamente ou através do treinamento e aculturação, uma memória a ural fixa, codificada e armazenada de forma que seu possuidor pode recuperar imediatamente a designação do som ouvido.

 

Um treinamento musical auditivo prolongado e sistemático, possibilitará ao músico que possui ouvido relativo, desenvolver a percepção absoluta dos sons e mesmo a adquirir a audição absoluta. Ao contrário, o indivíduo possuidor do ouvido absoluto pode, pela ausência de estímulos e treinamento, enfraquecer ou vir a perder esta capacidade.

 

BIBLIOGRAFIA

 

AIRES, Margarida de Mello et all . Funções superiores do sistema nervoso central/O aprendizado e a ___memória In: Fisiologia Rio de Janeiro: E. Guanabara Koogan, 1991 pp. 341-353.

 

BEYEREsther. A Abordagem Cognitiva em Música: Uma crítica ao ensino de música, a partir da teoria de ___Piaget. Porto Alegre: UFRGS/FACED, 1988. Dissertação de mestrado pp. 60-65.

 

CARNEIROLúcia Helena. O Processamento de informação de alturas na leitura de exercícios melódicos ___não conhecidos, um estudo (mestrado em música) – Instituto de Artes, UFRGS, 1992 pp. 10-16.

 

DAVIDSON, Jane W., HOWE, Michael J. A., and SLOBODA, John A.. Is everyone musical? – Target paper. ___In: The Psychologist. England, 1994 pp. 349-354.

 

DIXON, W. & BURNS, E. D.. Absolute pitch In: The Psychology of Music. EUA: Academic Press, 1982 ___pp. 431-449.

 

GAINZA, Violeta H. de. El oído absoluto y el relativo como funciones innatas complementarias, del oído ___musical del hombre In: Fundamentos, materiales y tecnicas de la educacion musical. Buenos ______Aires:Ricordi, 1977pp.55-59.

 

GARDNER, Howard. Inteligência musical In: Estruturas da mente, trad. de Sandra Costa. Porto Alegre: ___Artes Médicas, 1994 pp. 78-99.

 

GIELOW, Igor. Garoto perde metade do cérebro, volta a falar e a frequentar a escola. Folha de São Paulo, ___02.06.1996, caderno 5 p. 16.

 

MICHELSUlrich. Fisiologia del oído/organo de la audición, processo de la audición y Psicologia de la ___audición/ Fenomenos de la audición, disposiciones del oído In: Atlas de Música I., Madrid: Alianza, 1994 ______7ª ed. pp. 19-21.

 

PIERCEJohn R.. Oídos para oír In: Los sonidos de la musica, EUA: Labor, 1983 pp. 95-103.

 

SCHMIDTL. M.. Refutando o mito do “ouvido musical”como um dom inato In: Pedagogia musical ___histórico-crítica: o desafio de uma compreensão da música através da educação escolar. ______Florianópolis: UFSC, 1995 Dissertação de mestrado pp. 80-90.

 

SLOBODA, John A.. Talent, motivation, background and success In: Music Psichology. F. Evers et al. Van ___Gorenm: Netherlands s/d.